Adolescentes fogem da Unidade de Internação Provisória de Sergipe

Oito internos que estavam nas alas 3 e 4 escaparam pelo telhado.
Agentes foram rendidos quando faziam a abertura dos dormitórios.

Unidade de Internação Provisória de Sergipe (Foto: Marina Fontenele/G1)

Oito adolescentes fugiram da Unidade de Internação Provisória de Sergipe (Usip), na Zona Oeste de Aracaju, por volta das 7h da manhã desta quarta-feira (11). Eles renderam os quatro agentes que estavam de plantão, no momento da abertura dos dormitórios e escaparam pelo telhado.

De acordo com o Sindicato dos Agentes de Segurança e Medidas Socioeducativas, os internos estavam armados com vergalhões e outros objetos cortantes. A unidade tem capacidade para 54 internos, no entanto, abriga atualmente 62 adolescentes. A fuga ocorreu em um momento de vulnerabilidade, já que o efetivo de agentes socioeducativos foi reduzido em 50% devido à greve da categoria, iniciada no dia 5 de agosto.

Segundo Sidney Guarani, presidente do sindicato, os vergalhões utilizados pelos internos são de uma obra realizada nas dependências da unidade. “Alguém deve ter repassado esses materiais para os adolescentes, pois não havia possibilidade deles terem livre acesso à obra. Há muito tempo que estamos cobrando mais segurança na unidade, bem como o aumento no número de agentes socioeducativos, que é insuficiente. Segundo as normas, o correto seria um agente para cada cinco jovens, no entanto, temos um profissional para cada 16”, afirmou.

O agente David Machado, que foi o primeiro a ser rendido, disse que a fuga ocorreu no final do turno dos plantonistas. “O procedimento de abertura dos dormitórios orientado pela Fundação Renascer está totalmente errado. Os adolescentes perceberam a vulnerabilidade, já que nesta manhã estávamos em quatro realizando a abertura, e me renderam armados com armas brancas confeccionadas com materiais recolhidos por eles nas dependências da unidade. Por sorte, nenhum dos agentes ficou ferido”, disse.

A assessora de comunicação da Fundação Renascer, Camila Santos, negou que obras venham sendo executadas na Usip. Ela disse também, que não houve rendição dos agentes. “Esses reparos foram iniciados na manhã de hoje, após a fuga, e não como os agentes relataram de que obras estão sendo realizadas nas alas 5 e 6. Sobre a fuga, obtivemos informações da segurança da unidade, que não houve rendição de agentes. Os internos aproveitaram o momento da abertura dos dormitórios, vista a vulnerabilidade ocasionada pela greve, e saíram correndo. Eles conseguindo acessar o telhado na lateral da Academia da Polícia Civil  (Acadepol) e fugiram”, afirmou.

A polícia foi acionada e equipes do Batalhão de Choque da PM realizam buscas na região para tentar apreender os adolescentes.