Bando ataca hospital de Salvador para resgatar traficante envolvido em morte de criança

Cinco homens armados com pistolas tentaram entrar no Hospital Ernesto Simões, no Pau Miúdo, caveiraopor volta das 13h40 de ontem. O grupo estava próximo ao muro do setor de ortopedia, quando começou a troca de tiros com o investigador Pedro Rodrigues, do posto da Polícia Civil que fica no local. Após o confronto, que não deixou feridos, os bandidos fugiram.
O policial pediu reforço à 37ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), que fez uma varredura na área e não os encontrou. “Acredito que haja ligação com o fato de Caveirão estar internado aqui. Vieram ou para matar ou fazer o resgate”, conta Rodrigues. De acordo com um servidor do hospital que preferiu não ser identificado, “a mulher de Caveirão esteve aqui para visitá-lo e comentou que pediria para amigos virem buscá-lo”.
Ainda segundo o funcionário, não havia policial acompanhando Luís Leandro Pinto de Jesus, o Caveirão. A assessoria de imprensa do Ernesto Simões informou que o paciente fez cirurgia, ontem, e está reagindo bem. No entanto, não há previsão de alta nem de uma possível transferência para outra unidade de saúde, por questão de segurança.
RTEmagicC_hospital.jpg
Às 16h de sábado, havia uma viatura da 37ª CIPM, com cinco policiais, em frente ao prédio no qual Luís Leandro está internado. Ele é suspeito de ter participado do tiroteio que matou o menino Yure Conceição Machado, de 2 anos, que foi baleado na cabeça enquanto brincava na Rua Antonio Balbino, no IAPI, quinta-feira.
Na fuga, ao pular um muro, ele quebrou a perna e foi preso pela PM. Ele supostamente pertence à quadrilha de Rambo e pretendia executar um rapaz chamado Mussum, irmão do traficante Wagner, líder do tráfico na invasão do Brongo, também no IAPI. Mussum rondava a Rua da Floresta quando foi visto pelo rival, que estaria acompanhado de duas pessoas, conhecidas como Zóio e Sem Dente.
Em vídeo gravado pelo servidor, Caveirão nega ter matado Yure. “Tava na minha casa já. Tinha acabado de passar pela Floresta, moro na rua ali atrás. A criança foi atingida lá no Milho”, diz o rapaz.
fonte: Verdinho Itabuna