Concurso da PRF para 1 mil vagas de policial é suspenso

É necessário ter nível superior em qualquer área; salário é de R$ 6,4 mil.
Candidato considerado inapto poderá apresentar exames e laudos.

O concurso da Polícia Rodoviária Federal (PRF) para 1 mil vagas foi suspenso. O comunicado foi divulgado nesta sexta-feira (27) no site do Cespe/UnB.

Segundo a nota, a suspensão atende à decisão proferida na ação civil pública em trâmite na 5ª Vara Federal da Seção Judiciária do Rio de Janeiro para que os candidatos considerados inaptos na avaliação de saúde possam apresentar ou regularizar exames e laudos exigidos. Somente serão beneficiados quem apresentar as documentações requeridas e pelo menos 80% dos exames requeridos dentro do prazo. Os documentos devem ser recebidos em até 45 dias.

“O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (CESPE/UnB) e a Polícia Rodoviária Federal informam que o concurso está temporariamente suspenso e que estão sendo tomadas todas as medidas necessárias para o devido cumprimento da citada decisão”, informa a nota.

Segundo o texto, os novos procedimentos decorrentes da decisão serão informados por meio de edital.

O concurso
No dia 28 de novembro, a PRF divulgou os resultados finais do exame de capacidade física e avaliação psicológica, além da relação final dos candidatos não eliminados no preenchimento eletrônico da Ficha de Informações Pessoais (FIP), para fins de investigação social e funcional.

Se inscreveram o total de 109.769 candidatos (109,77 por vaga). A abstenção (índice de faltosos) na prova foi de 19,7% – cerca de 22 mil inscritos não compareceram, ficando a concorrência em cerca de 88 por vaga.

Para ingressar na carreira, o candidato precisa ter diploma em nível de graduação em qualquer área e possuir Carteira Nacional de Habilitação categoria “B”. Novidade no concurso é que 5% das vagas (50) serão reservadas para pessoas com deficiência. Com a medida, a PRF atende a decisão recente do STF. A remuneração inicial é de R$ 6.479,81, sendo R$ 6.106, 81 de subsidio e R$ 373,00 de vale-refeição.

Além das provas objetivas e discursivas, os candidatos passaram por teste físico, exames de saúde, avaliação psicológica, investigação social e/ou funcional e prova de títulos, esta última uma novidade em provas da PRF. A segunda etapa é composta de curso de formação.

Todas as fases da primeira etapa e a perícia médica dos candidatos que se declararam com deficiência foram realizadas nas 26 capitais dos estados da Federação e no Distrito Federal.

Todas as etapas do concurso
Foram convocados para o exame de capacidade física, para a avaliação de saúde, para a avaliação psicológica e preenchimento eletrônico da Ficha de Informações Pessoais (FIP), para fins de que se proceda à investigação social e/ou funcional, os candidatos aprovados na prova discursiva e classificados até a 3.800ª posição, para os candidatos de ampla concorrência, e até a 200ª posição para os candidatos que se declararam pessoas com deficiência, considerando-se a soma das notas obtidas nas provas objetivas e na prova discursiva.

Foram convocados para a avaliação de títulos os candidatos aprovados na prova discursiva
e classificados até a 1.900ª posição para os candidatos de ampla concorrência, e até a 100ª posição, para os candidatos que se declararam com deficiência, e não eliminados nas fases anteriores.

A segunda etapa do concurso será o curso de Curso de Formação Profissional (CFP), com duração de aproximadamente 3 meses. No CFP, os alunos terão aulas de abordagem e tiro, direitos humanos, ética, defesa policial e fiscalização de trânsito, entre outras. Os novos policiais rodoviários federais serão lotados, preferencialmente, nas regiões de fronteira, após remanejamento dos policiais mais antigos. A instituição espera contar com esse reforço para a Copa do Mundo em julho do ano que vem.

O último concurso foi realizado em 2009 e foram preenchidas 1.500 vagas.

Trabalho do policial
Atualmente, a Polícia Rodoviária Federal é responsável pelo policiamento de 70 mil km de rodovias e estradas federais em todo o Brasil. Seus servidores estão espalhados por 600 unidades no território brasileiro, trabalhando ininterruptamente, em escalas de revezamento.

Diuturnamente, policiais rodoviários federais realizam atendimentos de acidentes, socorrem vítimas de acidentes, aplicam multas de trânsito, fazem escoltas,  desbloqueiam rodovias, combatem a exploração sexual, o contrabando, o crime ambiental, além dos tráficos de armas, drogas, pessoas e animais. (clique aqui para ver as atribuições da PRF).

Além de exercer as atribuições definidas por lei, a PRF está integrada em diversas ações do governo federal, como Plano Nacional de Fronteiras, combate ao tráfico de drogas, especialmente o crack, Plano Nacional de Enfrentamento à Violência no Trânsito e segurança de grandes eventos.

O ocupante do cargo de policial rodoviário federal permanecerá preferencialmente no local de sua primeira lotação por um período mínimo de 3 anos, sendo a sua remoção condicionada a concurso de remoção, permuta ou ao interesse da administração.

 

 

 

fonte:Do G1, em São Paulo