Dia Mundial do Idoso é comemorado em 1º de outubro

Censo 2010 do IBGE registrou mais de 185 mil idosos em Sergipe

Exercícios físicos, vida social ativa e acesso constante às redes sociais. Há alguns anos,

Geriatra Luciana Costa fala sobre avanços na qualidade de vida o idoso (Foto: Portal Infonet)
Geriatra Luciana Costa fala sobre avanços na qualidade de vida o idoso (Foto: Portal Infonet)

estes itens seriam inimagináveis na lista de atividades cotidianas de alguém com mais de 60 anos. Este, porém, é um quadro real na maior parte do Brasil, que demonstra o aumento da expectativa de vida da população e sua tendência à longevidade. Em entrevista ao Portal Infonet, a geriatra Luciana Costa fala sobre os avanços e retrocessos na qualidade de vida da ‘melhor idade’ às vésperas do 1º de outubro – data em que se celebra o Dia Mundial do Idoso.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) demonstram um crescimento de mais de 3% no número de idosos registrados entre 1970 e 2010 em Sergipe. No último Censo, o IBGE contou cerca de 186 mil idosos no Estado, e uma expectativa média de 71,6 anos. Para Luciana, estes números são a prova de que o idoso vem assumindo uma postura mais engajada em relação aos cuidados com sua saúde.

“Tanto idoso quanto família vem colaborando para uma melhoria na qualidade de vida. O idoso vem abrindo mão de vícios como o álcool e o tabagismo e está investindo em uma alimentação balanceada e na prática de esportes e atividades físicas. Hoje em dia o idoso também está indo mais cedo ao médico. Isso permite a prevenção de doenças, o diagnóstico precoce e um tratamento médico mais eficaz”, considera.

Luciana destaca o pilates e a dança como algumas das atividades que tem alcançado maior adesão entre o grupo da melhor idade. “O pilates estimula o equilíbrio e a flexibilidade, e isso faz com que os idosos se sintam rejuvenescidos. E a dança é uma verdadeira terapia, e muitas vezes a realização de um desejo da juventude”, afirma.

A geriatra chama a atenção para a necessidade do estímulo de familiares e pessoas próximas para despertar no idoso o desejo de sentir-se ativo. “É importante incentivar não só a prática de exercícios físicos, mas de atividades que desenvolvam a criatividade. Estar em contato com artesanato, internet, leitura, palavras-cruzadas é muito indicado. Cursos de formação em idiomas, informática e mesmo cursos universitários são também recomendáveis”, revela.

O contato com outros idosos, de acordo com a geriatra, é outra chave para a melhoria da qualidade de vida. “Muitas vezes o idoso se sente impotente, pensando que chegou ao final da vida. O contato com pessoas que vivem esta mesma realidade faz com que eles se sintam mais capazes. Alguns são despertados até para o relacionamento amoroso, iniciando namoros e retomando sua afetividade e seu desejo sexual. A mulher tende a procurar o companheirismo, enquanto o homem recupera sua libido”, esclarece.

Prevenção

Entre as doenças de maior incidência entre os idosos, a médica cita a hipertensão, o diabetes e as altas taxas altas de colesterol entre os males crônicos, além da artrose e da osteoporose. Os Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs), infartos e os mals de Alzheimer e Parkinson também estão incluídos entre os maiores motivos de preocupação entre os idosos. “O AVC e o infarto são as doenças com maior risco de se tornarem incapacitantes. Já o Alzheimer está ligado à demência e perda de memória, e o Parkinson diz respeito à descoordenação motora”, expõe.

Sobre o grande número de registros destas doenças entre idosos, Luciana faz um alerta: “é preciso que todos comecem a se prevenir e frequentar o médico tão logo se completem 30 anos. No futuro todos vamos envelhecer, e por isso é necessário que nos cuidemos o quanto antes”, diz.

Para a geriatra, o aumento do número de profissionais de saúde voltado ao cuidado com os idosos é uma perspectiva otimista. “O número de geriatras ainda é insuficiente no Estado por conta da grande demanda, mas temos avançado. Hoje, o grupo populacional que mais cresce entre os idosos é o de 80 anos acima. Com o desenvolvimento da área da saúde, a longevidade pode ser combinada com a qualidade de vida, para que todos vivam mais e melhor”, prevê.

Desafios

Luciana afirma que o preconceito com as pessoas idosas ainda é um obstáculo a ser enfrentado na busca do lema ‘dignidade na melhor idade’. A falta de compreensão entre as famílias, os maus tratos, a exploração financeira e o desrespeito são alguns exemplos de dificuldades sofridas pelos idosos no dia-a-dia. “É papel nosso estimular a denúncia desses casos. Nós, profissionais, atuamos bastante em contato com as famílias para combater qualquer tipo de situação desfavorável ao convívio do idoso”, informa.

Outra barreira a ser superada, segundo a médica, é a ausência de espaços de socialização e formação integrada. “As famílias sentem grande necessidade de um lugar confiável em que os idosos possam ficar. Muitos filhos e parentes saem para trabalhar e deixam o idoso sozinho por não ter alternativa. É necessário que haja um lugar onde o idoso possa conviver com outras pessoas e desenvolver atividades de lazer e aprendizado”, alega.

Núcleo

Como forma de atender à demanda do crescente número de idosos no Estado, desde 2009 o Núcleo Integrado de Geriatria (NIG) vem desenvolvendo atividades mensais. “No início eram 40 ou 50 idosos, mas o grupo foi crescendo e hoje estamos com quase 200. Todo mês trazemos um tema diferente, com palestras, teatros, lanche e momentos de interação. Já tratamos de déficit de memória, quedas, atividades físicas, polifarmácia, sexualidade… E eles sempre são muito participativos”, explica Luciana, que integra a coordenação.

O Núcleo é composto atualmente por oito geriatras, dois fonoaudiólogos, um psicólogo, um nutricionista e um fisioterapeuta. Todos atuam de forma colaborativa para dar conta das necessidades dos idosos integrantes. No próximo dia 17, marcando as comemorações ao Dia do Idoso, o grupo se encontrará mais uma vez para debater o tema ‘Novidades no Tratamento Não-Cirúrgico de Varizes’. O evento acontece no auditório do colégio Patrocínio de São José, às 14h30. O palestrante será o médico Roberto Ximenes, e o acesso é gratuito.

Por Nayara Arêdes e Eliene Andrade