Dilma sanciona lei e cinquentinhas terão que ser registradas e emplacadas em todo país

1307017635_10874-250x188Foi publicado no Diário Oficial da União, nesta sexta-feira (31), a Lei nº 13.154 que altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, do Código Brasileiro de Trânsito (CTB), e equipara os ciclomotores, mais conhecidos como cinquentinhas, a motocicletas.

De acordo a Lei, os ciclomotores deverão ser emplacados e os condutores deverão ter o Cerificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), assim como automóveis e motocicletas. A mudança na Lei atende a solicitação dos DETRANS e retira dos municípios a competência de registro das cinquentinhas.

Confira a Lei nº 13.154/2015 na integra:

LEI Nº 13.154, DE 30 DE JULHO DE 2015

Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e a Lei nº 13.001, de 20 de junho de 2014; e dá outras providências.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º – A Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro, passa a vigorar com as seguintes alterações: “Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição:

XVII – registrar e licenciar, na forma da legislação, veículos de tração e propulsão humana e de tração animal, fiscalizando, autuando, aplicando penalidades e arrecadando multas decorrentes de infrações

………………………………………………………………………………….” (NR)
“Art. 115. ………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………….

§ 4º – Os aparelhos automotores destinados a puxar ou a arrastar maquinaria de qualquer natureza ou a executar trabalhos de construção ou de pavimentação são sujeitos ao registro na repartição competente, se transitarem em via pública, dispensados o licenciamento e o emplacamento.

§ 4º – A. Os tratores e demais aparelhos automotores destinados a puxar ou a arrastar maquinaria agrícola ou a executar trabalhos agrícolas, desde que facultados a transitar em via pública, são sujeitos ao registro único, sem ônus, em cadastro específico do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, acessível aos componentes do Sistema Nacional de Trânsito.

…………………………………………………………………………………………….

§ 8º – Os veículos artesanais utilizados para trabalho agrícola (jericos), para efeito do registro de que trata o §4º-A, ficam dispensados da exigência prevista no art. 106.” (NR)

“Art. 129. O registro e o licenciamento dos veículos de propulsão humana e dos veículos de tração animal obedecerão à regulamentação estabelecida em legislação municipal do domicílio ou residência de seus proprietários.” (NR)

“Art. 129-A. O registro dos tratores e demais aparelhos automotores destinados a puxar ou a arrastar maquinaria agrícola ou a executar trabalhos agrícolas será efetuado, sem ônus, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, diretamente ou mediante convênio.”

“Art. 134. ………………………………………………………………………

Parágrafo único. O comprovante de transferência de propriedade de que trata o caput poderá ser substituído por documento eletrônico, na forma regulamentada pelo Contran.” (NR)

“Art. 145. ………………………………………………………………………
§ 1º
……………………………………………………………………………….
§ 2º (VETADO).” (NR)
“Art. 184. ………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………….

III – na faixa ou via de trânsito exclusivo, regulamentada com circulação destinada aos veículos de transporte público coletivo de passageiros, salvo casos de força maior e com autorização do poder público competente:

Infração – gravíssima;
Penalidade – multa e apreensão do veículo;
Medida Administrativa – remoção do veículo.” (NR)

“Art. 231. ………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………….
VIII – (VETADO);
…………………………………………………………………………………..” (NR)
“Art. 252. ………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………….

VII – realizando a cobrança de tarifa com o veículo em
movimento:

Infração – média;
Penalidade – multa.” (NR)

“Art. 261. ………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………….
§ 5º – O condutor que exerce atividade remunerada em veículo, habilitado na categoria C, D ou E, será convocado pelo órgão executivo de trânsito estadual a participar de curso preventivo de reciclagem sempre que, no período de um ano, atingir quatorze pontos, conforme regulamentação do Contran.

§ 6º – Concluído o curso de reciclagem previsto no § 5º, o condutor terá eliminados os pontos que lhe tiverem sido atribuídos, para fins de contagem subsequente.

§ 7º – Após o término do curso de reciclagem, na forma do §5º, o condutor não poderá ser novamente convocado antes de transcorrido o período de um ano.

§ 8º – A pessoa jurídica concessionária ou permissionária de serviço público tem o direito de ser informada dos pontos atribuídos, na forma do art. 259, aos motoristas que integrem seu quadro funcional, exercendo atividade remunerada ao volante, na forma que dispuser o Contran.” (NR)

“Art. 330. ………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………….
§ 6º – Os livros previstos neste artigo poderão ser substituídos por
sistema eletrônico, na forma regulamentada pelo Contran.” (NR)

Art. 2º – O registro de que trata os §§ 4º e 4º-A do art. 115 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro, somente é exigível para os aparelhos ou máquinas produzidos a partir de 1º de janeiro de 2016.

Art. 3º – ( V E TA D O ) .

Art. 4º – O art. 235-C da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, passa a vigorar acrescido do seguinte § 17:

“Art. 235-C. …………………………………………………………………..
…………………………………………………………………………………………….

§ 17. O disposto no caput deste artigo aplica-se também aos operadores de automotores destinados a puxar ou a arrastar maquinaria de qualquer natureza ou a executar trabalhos de construção ou pavimentação e aos operadores de tratores, colheitadeiras, autopropelidos e demais aparelhos automotores destinados a puxar ou a arrastar maquinaria agrícola ou a executar trabalhos agrícolas.” (NR)

Art. 5º – O art. 17 da Lei nº 13.001, de 20 de junho de 2014, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 17. Fica a Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB autorizada a renegociar e a prorrogar até dezembro de 2019 as operações com Cédula de Produto Rural (CPR), modalidade formação de estoque no âmbito do Programa de Aquisição de Alimentos, instituído pelo art. 19 da Lei nº 10.696, de 2 de julho de 2003, contratadas até 31 de dezembro de 2012, nas seguintes condições:

I – a renegociação das dívidas, vencidas e vincendas, deverá
ser requerida pelo mutuário e formalizada pela Conab até 31 de
dezembro de 2015;

…………………………………………………………………………………..” (NR)
Art. 6º – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 7º – Fica revogado o § 2º do art. 132 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997.

Brasília, 30 de julho de 2015; 194º da Independência e 127º da República.

DILMA ROUSSEFF
José Eduardo Cardozo
Kátia Abreu
Patrus Ananias
Gilberto Kassab
Miguel Rosseto