Exemplo: deficiente visual é aprovado em música na UFS

Morador da zona rural de Lagarto, José Gilvan é exemplo de força de vontade para a juventude.
Kiko Monteiro

José Gilvan Silva dos Santos, 24 anos, mora com os pais e irmãos no povoado Quilombo, em Lagarto. Foi acometido por um glaucoma de ângulo aberto (crônico) quando só tinha um ano e meio de idade. É o tipo mais comum de glaucoma e tende a ser hereditário, mas sua causa é desconhecida. Nele, um aumento na pressão ocular desenvolve-se lentamente com o passar do tempo, e a pressão elevada causa um dano permanente no nervo óptico, causando perda do campo visual.  Ao longo da infância e adolescencia foi submetido a cinco cirurgias para tentar conter ou retardar a doença.

Iniciou os estudos na Escola Municipal Inglaterra, daquela comunidade, onde conseguiu estudar normalmente até o quinto ano do ensino fundamental, até que a doença se agravou e ele já não conseguia ler. Foi obrigado a um intervalo de sete anos sem frequentar as salas de aula. Até que em 2010 ele decidiu concluir o fundamental através do Ensino de Jovens e Adultos (EJA), e assim foi matriculado no Colégio Municipal Frei Cristovão de Santo Hilário, onde pôde concluir do 6º ao 8° ano.

No mesmo ano de 2010 ele passa a frequentar um instituto em Aracaju, onde ele aprendeu a ler em braile. Foi lá tambem que ele descobriu o soroban – ou o ábaco japonês, que utiliza a base decimal para representar os algarismos; são cinco contas (pedrinhas) em cada haste que representam dez posições, de 0 a 9, portanto decimal. Nesse mesmo instituto ele se aperfeiçoaria no instrumento musical e no amor pela música, que vamos falar mais adiante.

Em 2012 ele inicia o Ensino Médio no Colégio Estadual Professor Abelardo Romero Dantas (Cepard). Um outro exemplo de dedicação, sobretudo nessa fase, é o apoio do pai, Gilson, que é quem o levava e trazia da escola todas os dias, ou melhor todas as noites. Segundo o testemunho da coordenadora Corália Araújo, Gilvan, mesmo com essa deficiência, graças ao amor e esforço singular da família, foi considerado por unanimidade o melhor e mais presente aluno entre todos os discentes do período noturno. Corália é a porta-voz de todos os colegas e profesores que se orgulham desta conquista.

Além alcançar média ideal no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), ele teve que se submeter a outra prova, a de aptidão musical. Das 30 questões da prova teórica, ele acertou mais da metade. Depois veio a avalaiação prática, na qual ele havia de provar que tinha habilidade no instrumento tocando uma peça de sua escolha. Assim o fez e carimbou seu passaporte para Licenciatura em Música.

A música surgiu em sua vida em 2005. Orientado pelos médicos, ele procurou um curso de teclado, especificamente na escola do professor Kalil, em Lagarto, onde ele aprendeu os primeiros acordes e nunca mais se separou do instrumento. Foi componente de pequenos grupos musicais da região, mas disse que, com a conclusão do Ensino Médio e a proximidade do Enem, ele tinha que se dedicar mais aos estudos, e por isso pediu um tempo aos parceiros da noite. Para não perder o pique, toca junto com os irmãos em festas familiares.

Como fruto desta nova jornada em busca de mais conhecimento, ele pretende viver exclusivamente da música, lecionando especialmente para outros jovens deficientes como ele.

As aulas terão início no final de março de 2015 no campus da UFS de São Cristóvão. A Diretoria Regional de Educação (DRE 2), através do seu diretor Marcelo Mesquita (foto ao lado) e do departamento de alunos com necessidades educacionais especiais, está empenhada em garantir a melhor forma de acessibilidade para Gilvan.

“Nosso Gilvan é um exemplo de superação e de força de vontade para tantos jovens aí que se acham limitados. Já temos agendada uma reunião extraordinária com o secretário de Educação do Estado, Jorge Carvalho, que já se mostrou muito interessado no caso dele e prometeu não medir esforços para garantir a presença de José Gilvan em todos os dias do curso com conforto e segurança que ele carece”, garantiu Mesquita.

 

 

 

fonte:http://www.lagartense.com.br/