Funcionários do SAMU entram no sétimo dia de greve

Após sete dias de greve dos funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) afirmam que ainda não houve negociação por parte do Governo e, por isso, a paralisação continua até que se haja uma resposta às suas reivindicações.

Na manhã desta quarta-feira (2), a categoria se reuniu em frente à base do SAMU para definir os próximos direcionamentos da greve e, com reunião na Secretaria de Estado da Saúde (SES) que está marcada para ocorrer ainda nesta manhã, a categoria espera que a situação possa ser regularizada.

De acordo com Adilson Ferreira, do Sindicato dos Condutores de Ambulâncias do Samu, a categoria vem lutando por melhores salários, reajuste de 21%, que representa a reposição inflacionária do período de 2012 até agora, e condições de trabalho. “Além de termos baixos salários, temos que trabalhar com ambulâncias sucateadas, sem equipamento de proteção individual e falta de equipamentos essenciais para a realização do atendimento”, frisou.

Com a greve, os serviços foram quase reduzidos pela metade, sendo que 40% das Unidades Básicas estão na ativa e 50% das ambulâncias de suporte avançado estão operando.

Do Jornal da Cidade.