Irmãos presos integram quadrilha que matou mais de 20 pessoas em SE

 

Mortes teriam sido motivadas por disputas pelo tráfico de drogas.
Polícia investigava o grupo desde 2009. Outros dois já cumprem pena.

Imãos integram grupo responsável por mais de vinte mortes em Sergipe (Foto: Marina Fontenele/G1)Imãos integram grupo responsável por mais de vinte mortes relacionadas a disputas pelo tráfico de drogas (Foto: Marina Fontenele/G1)

A polícia apresentou na manhã desta terça-feira (21), detalhes das prisões de dois irmãos suspeitos de integrarem uma quadrilha que agia no Conjunto Jardim, em Nossa Senhora do Socorro (SE), região metropolitana de Aracaju. O grupo é apontado como responsável pela morte de mais de 20 pessoas, inclusive policiais, e vinha sendo investigado desde 2009. Segundo a polícia, as mortes teriam envolvimento com a disputa pelo tráfico de drogas na região.

Os irmãos foram presos na sexta-feira (17), por policiais do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e do Grupo Especial de Repressão e Buscas (Gerb), em cumprimento a um mandado de prisão referente à morte de um adolescente, de 17 anos, ocorrida no dia 25 de novembro de 2013.

 

 

fonte:G1

Segundo a polícia, na ocasião, oito homens armados invadiram uma vila em busca de um alvo. No entanto, o homem conseguiu fugir e o grupo atirou contra o adolescente, que era primo do suposto alvo. O jovem não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Ele deixou uma companheira que estava grávida na época.

Na residência dos irmãos, os policiais encontraram dinheiro, drogas e dois revólveres calibre 38 que serão submetidos à perícia, para identificar se uma das armas foi utilizada na morte do adolescente.

Ainda de acordo com a polícia, o adolescente não possuía envolvimento com crimes e não tinha passagens pela polícia. Na ocasião, outro homem foi ferido por dois tiros de raspão no pescoço. Ele foi encaminhado ao hospital e sobreviveu.

Outros dois integrantes do grupo já foram detidos e encaminhados a presídios. A delegada Juliana Alcoforado explica que houve certa dificuldade em desarticular a quadrilha, pois os moradores da região conheciam os criminosos e os policiais que atuam na área. “Tivemos dificuldade em realizar um trabalho com policiais infiltrados, pois eles facilmente eram identificados, já que na localidade todos se conhecem”, disse.