JUSTIÇA OBRIGA GRÁVIDA A FAZER CESARIANA CONTRA SUA VONTADE

Numa medida extrema, a Justiça do Rio Grande do Sul determinou que uma mulher grávida de 42 semanas fosse submetida a uma cesariana contra a sua vontade, por considerar que o bebê corria risco de morte.

O caso aconteceu anteontem na cidade de Torres (193 km de Porto Alegre). Após deixar o hospital, contrariando orientação médica, Adelir Carmem Lemos de Goes, 29 anos, foi apanhada em casa por policiais militares e conduzida até a unidade, onde deu à luz a menina Yuja.

A polêmica começou quando a gestante procurou o hospital Nossa Senhora de Navegantes sentindo dores lombares e no ventre.

Resposta

Em nota, o hospital nega que tenha induzido a cesariana.

Diz que a recomendação e o acionamento do Ministério Público se deu porque mãe e filha corriam “risco eminente de morte”.

Informações: Folha