Lagartense detalha clima de tensão na França

“Muitos brasileiros são frequentemente confundidos com árabes, como eu também já fui várias vezes”, relata Ocaristo.
O lagartense Rodrigo Lopes, o Ocaristo (foto acima), mora na França há quase um ano e meio. Estudante e músico no país, ele revelou ao Portal Lagartense detalhes do clima de tensão vivido após o atentado provocado por um grupo de extremistas à sede da revista Charlie Hebdo, na última quarta (7), em Paris, o qual matou doze pessoas, entre elas quatro dos maiores chargistas franceses.

https://i2.wp.com/www.lagartense.com.br/Biblioteca/Imagens/2015/ocaristo090115_2.jpg?w=250Ocaristo não mora em Paris, ele reside em Bordeaux, no sul da França, mas ele contou que o clima está tenso em todo o país. Segundo ele, o atentado fez crescer ainda mais o sentimento racista de focos xenófobos, e isso tem preocupado bastante a população. “As pessoas andam com medo de guerra e de uma revolução racista na França”, falou.

“Embora o inimigo seja o grupo de muçulmanos extremistas, a grande população de muçulmanos e árabes na França é que pode ser perseguida. Já saíram notícias de mesquitas e kebabs (lanchonetes árabes) que foram atacadas ou pichadas”, completou.

Os brasileiros, de acordo com Ocaristo, também têm passado por apuros. “Muitos brasileiros são frequentemente confundidos com árabes, como eu também já fui várias vezes. Alguns colegas estão com receio de algum ataque na rua”, revelou.

Ocaristo também contou que escolas na capital parisiense estão fechadas e por enquanto está proibido de veículos estacionarem próximos a elas. Já em Bordeaux várias manifestações vêm acontecendo desde o dia do atentado. “Acho que 99 por cento dos meus amigos de Facebook trocaram sua imagem de perfil pelo cartaz je suis Charlie [eu sou Charlie]. Grande parte das lojas também colocou o cartaz na frente dos prédios”, disse.

 

 

 

 

fonte: portallagartense