Menino autista abandonado em shopping está em abrigo há 2 meses

Processo que vai definir a guarda do menino corre em segredo de Justiça.
Mãe deixou o garoto em shopping e alegou não ter condições de criá-lo.

Menino está em abrigo da capital sergipana (Foto: Ana Lícia/AAN)Menino está em abrigo da capital sergipana há mais de dois meses (Foto: Ana Lícia/AAN)

O garoto de 12 anos encontrado sozinho em um shopping de Aracaju no dia 20 de julho deste ano continua no Abrigo Caçula Barreto, no bairro Olaria, na capital sergipana. Ele foi levado para a instituição depois de ser acolhido pelo Conselho Tutelar. A informação é da Secretaria Municipal da Família e da Assistência Social (Semfas), que confirmou esta semana que o menino está bem e participa das atividades da unidade de proteção.

“Ele está interagindo com as outras crianças e participa de todas as atividades socioeducativas e culturais do abrigo. Lá, ele também recebe acompanhamento psicológico e de assistência social”, afirma Conceição Soares, assessora de comunicação da Semfas. O menino deve continuar no local até que saia uma decisão da Justiça sobre o destino dele, se volta para a guarda da mãe, de algum familiar ou se vai ficar sobre a tutela do Estado.

A equipe de reportagem do G1 entrou em contato com o Tribunal de Justiça de Sergipe(TJSE), com a juíza da 16ª Vara da Infância e da Juventude e com o Ministério Público, órgãos que acompanham o processo, mas os representantes preferiram não se pronunciar sobre o caso que corre em segredo de Justiça.

Investigação
Quando foi encontrado, o menino não tinha nenhum tipo de identificação, apesar de ter a aparência de bem cuidado e de estar com uma mochila amarrada à sua cintura contendo algumas peças de roupa, fralda descartável e medicamento controlado. Especialistas identificaram que ele não possui habilidade da fala.

Delegada detalhou prisão de suspeito de estupro (Foto: Flávio Antunes/G1 SE)Delegada detalhou como conseguiu encontrar família
do garoto (Foto: Flávio Antunes/G1)

Durante as investigações a delegada Lara Schuster, do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), recebeu uma informação da Associação dos Amigos do Autista da Bahia (AMAs) que procurou a polícia devido a grande repercussão do caso nas redes sociais e revelou que havia dados de uma criança com as mesmas características do menino.

A família do garoto foi encontrada na Bahia, a mãe dele mora no município de Amargosa e o pai em Salvador. Segundo a delegada, os pais estão separados e ele não sabia que a criança estava abandonada.

Abandono
As investigações apontam também para um possível surto psicótico da mãe na sua estadia em Aracaju. “A mãe tem um histórico de acompanhamento psicológico após a separação. Acabou se isolando da família e tomou para si a criação do filho. Aparentemente não está em condições de ficar com o garoto”, revela Schuster.

Sede do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis em Aracaju (SE) (Foto: Marina Fontenele/G1 SE)Sede do DAGV em Aracaju
(Foto: Marina Fontenele/G1)

Na Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Contra Criança e Adolescente (Derca), em Salvador, a mãe do autista disse à delegada Janice Muti, em depoimento no início de agosto, que abandonou o filho porque passa por problemas psiquiátricos e financeiros.

“Ela disse que o processo de abandono ocorreu porque ela não tinha condições financeiras de manter a criança com a pensão que o pai do menino paga. Disse que o valor é irrisório e ele [menino] é uma criança que necessita de cuidados especiais, estudar em uma escola especial e por conta disso ela estava passando dificuldades. Além disso, alegou ter problemas psiquiátricos”, conta Muti.

 

 

 

FONTE: Marina FonteneleDo G1 SE