Nove municípios estão com alto índice de infestação do Aedes aegypti

Levantamento foi realizado de 05 a 09 de janeiro.
33 municípios, segundo o LIRA, apresentam médio risco de infestação.

O relatório que aponta a classificação de risco avaliada pelos índices de infestação apontados pelo Levantamento Rápido de Índice de Infestação (LIRA), realizado de 05 a 09 de janeiro de 2015, identificou que nove municípios sergipanos apresentam alto risco de infestação do mosquito, são eles: São eles: Simão Dias (10%), Pedrinhas (6,3%), Nossa Senhora da Glória (5,9%), Itabaianinha (5,8%), Cristinápolis (5,8%), Siriri (5,3%), Carira (5%), São Cristóvão (4,7%) e Aquidabã (4,2%).

O Levantamento Rápido de Índice de Infestação (LIRA) é uma metodologia adotada pelo Ministério da Saúde (MS) com o objetivo de mapear os locais com altos índices da presença do mosquito Aedes aegypti, o vetor da Dengue, alertando sobre os possíveis locais onde podem ocorrer epidemia.

Segundo o LIRA,  33 municípios apresentam médio risco de infestação: Campo do Brito (3,9%), Tobias Barreto (3,8%), Feira Nova (3,7%), Nossa Senhora das Dores (3,5%), Cedro de São João (3,4%), Porto da Folha (3,3%), Monte Alegre (3,2%),  Riachuelo (3%), Moita Bonita (2,9%), Maruim (2,8%), Lagarto (2,8%),Carmópolis (2,1%), Japoatã (2,1%), Umbaúba (2%), Neópolis (2%), Ribeirópolis (1,9%), Tomar do Geru (1,9%), Areia Branca (1,7%), Boquim (1,7%), Frei Paulo (1,6%), Itabaiana (1,6%), Laranjeiras (1,6%), Propriá (1,5%), Poço Verde (1,4%), Santana do São Francisco (1,4%), Malhador (1,4%), Capela (1,4%), Aracaju (1,3%), Barra dos Coqueiros (1,3%), Santo Amaro das Brotas (1,3%), Salgado (1,2%), Poço Redondo (1,2%) e Nossa Senhora Aparecida (1,1%).

O levantamento também apontou 11 municípios considerados de baixo risco: Estância (0,9%), São Domingos (0,9%), Arauá (0,9%), Rosário do Catete (0,8%), Itaporanga D’Ajuda (0,7%), Nossa Senhora do Socorro (0,6%), Pinhão (0,5%), Pirambu (0,4%), Japaratuba (0,3%), Canindé do São Francisco (0%) e Indiaroba (0%).

“São informações que possibilitam o alerta máximo dos gestores municipais e da própria população, visando a intensificação das ações de combate à Dengue nos locais com maior presença do mosquito Aedes aegypti. O LIRA é fundamental para que os munícipes tenham conhecimento dos riscos da doença e tomem medidas de prevenção na própria residência”, destacou Sidney Sá, coordenadora do Núcleo de Endemias da Secretaria de Estado da Saúde.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

fonte:Do G1 SE