Salvador: Doméstica é morta por bala perdida em tiroteio entre facções durante festa de Natal

Doméstica é morta por bala perdida em tiroteio  entre facções durante festa de Natal  (Foto: Bruno Wendel/Correio/Reprodução)
Doméstica é morta por bala perdida em tiroteio
entre facções durante festa de Natal
(Foto: Bruno Wendel/Correio/Reprodução)

Vítima observava confronto com amiga e irmã quando foi baleada no peito. “Era curiosidade, Nós nunca imaginávamos que uma de nós seria baleada”, conta amiga

A comemoração de Natal na casa da família de Jucileide Jesus dos Santos, 51 anos, terminou em tragédia na madrugada desta sexta-feira (25).

A empregada doméstica estava no segundo andar da casa da irmã no bairro de Pernambués, em Salvador, quando foi atingida por uma bala perdida durante um confronto entre facções criminosas que acontecia na rua.

O crime aconteceu por volta das 1h30 de hoje. Jucileide e a sua irmã Luciana moravam a metros de distância uma da outra, na rua São Domingos.

A decisão de curtir a noite da véspera de Natal com ela foi impulsiva, revelou uma amiga da doméstica, que preferiu não se identificar.

As duas estavam bebendo juntas na casa da vítima quando ela disse: “Olhe eu não vou sair hoje não. Vamos na casa da minha irmã Luciana, vamos beber com ela”, relatou a amiga.

A confraternização começou na laje da casa de Luciana, no segundo andar da casa da irmã da vítima. Jucileide, a amiga e a irmã estavam sentadas perto do muro da laje quando o tiroteio começou. De acordo com testemunhas, traficantes da rua do Botafogo, na Baixa do Manu, vivem em disputa por pontos de tráficos com a facção da avenida São Paulo, onde fica a rua São Domingos. O grupo criminoso da Baixa do Manu esteve no local nesta madrugada e atacou a facção rival da área onde Jucileide mora, entrando em confronto em via pública.

Ao ouvir os tiros, as três mulheres se debruçaram sobre o muro e ficaram observando a troca de tiros. “Era curiosidade. Nós nunca imaginávamos que uma de nós seria baleada”, justifica a amiga de Jucileide. Ela relata que cerca de cinco minutos depois, a doméstica levou a mão ao peito e gritou: “Ai, Lu [irmã], pegou em mim”, e caiu no chão. A mão e o braço esquerdo estavam ensanguentados.

“Quando ela tirou o braço do peito, eu pensei que o tiro tinha sido no braço, porque ele estava coberto de sangue. Mas quando ela chegou no Roberto Santos, o médico constatou que foram dois tiros no peito”, detalha a amida de Jucileide.

A doméstica foi socorrida pela família e amigos: “Eu e Lu tentamos carregá-la, mas não aguentamos, e chamamos o vizinho. Ele e mais duas pessoas colocaram ela no carro. Ela estava sentada no meu colo e ainda respirava, mas chegou no hospital morta”, conta.

Viúva há três anos, Jucileide deixa três filhos de 29, 19 e 18 anos, além de dois netos: uma menina de sete anos e um bebê de sete meses. O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), mas ainda não há informações sobre a quantidade de traficantes envolvidos no confronto, nem a identificação deles.

Fonte: correio24horas